Hoje, 13 de fevereiro, é comemorado o Dia Mundial do Rádio. E aqui no Brasil a maior referência em rádio sem dúvida foi Ricardo Eugênio Boechat. Esse grande cara – que em todas as manhãs fazia companhia a nós e a milhares de pessoas que o ouviam a Band News FM – nos deixou no último dia 11, após sofrer acidente no helicóptero quando voltava de uma palestra em Campinas.

Boechat sempre trabalhou como jornalista e nos últimos 13 anos atuou como âncora da Rádio Band News FM. Seguidamente ele lamentava o fato de ter descoberto o rádio tão tarde em sua carreira.

Em nossa opinião, ele foi um dos que reinventaram a forma de fazer rádio. Suas opiniões e comentários, sempre cobrando ações das autoridades, questionando fatos e falando de uma forma que todos entendiam, além de dar voz aos ouvintes, fez dele uma pessoa querida por todos e que acumulou muitos prêmios de comunicação.

Esse post é nossa singela homenagem ao maior jornalista e radialista do Brasil. A seguir, você lerá as lições que Boechat nos deu com seu modo de trabalhar e pensar, pois era um dos maiores defensores do rádio na atualidade. Parte das frases citadas abaixo foram transcritas da (última) entrevista que ele concedeu a Eduardo Barão, que trabalhava ao seu lado na Rádio, e que havia começado o projeto “Barões do Rádio” em um canal do YouTube.

1 – Dê a notícia de forma que qualquer pessoa possa entender.

Boechat defendia a ideia de que a notícia devia ser dada de forma que as filhas pequenas dele e a Dona Juventina entendessem. Simplificar o uso das palavras, facilitar o entendimento, e assim fazer uma comunicação direta e universal.

2- Investigue, investigue, investigue.

Para Boechat, o bom jornalista deve investigar até a notícia se tornar precisa.

3 – Você não faz jornalismo para o veículo de comunicação, você faz jornalismo para as pessoas.

Além de defender a clareza ao dar a notícia, Boechat cultivava a aproximação com seu público. Tornou-se popular ao sempre divulgar no ar seu número de celular para que qualquer pessoa pudesse ligar (e sempre atendia) e responder pessoalmente a todos os e-mails que recebia. “É uma forma de eu dizer: olha, não tem ninguém inalcançável do lado de cá”. Para ele o ouvinte era seu melhor aliado.

4 – A inversão do pólo da fé publica

 Uma das quebras de paradigmas mais importantes e inovadoras citadas por Boechat foi essa inversão da fé pública. Ele dava voz aos ouvintes, e criou um ambiente de identidade e proximidade, lendo ao vivo informações trazidas pelos cidadãos. Em uma entrevista que concedeu à Eduardo Barão, explicou: “O jornalismo sempre se pautou pela ideia de que a última palavra nos fatos é a da autoridade que detém fé pública. Então, o cidadão historicamente fazia contato com a redação ou era alcançado por ela e contava sua versão dos fatos. E você submetia essa versão à autoridade da área a que se referiam. E a autoridade modulava a versão de acordo com a sua conveniência. E a imprensa sempre comprou essa versão final da autoridade. Aí a gente passou a perceber o seguinte: Por que um cidadão comum teria interesse em mentir para uma emissora? Ligar e dizer O trem tá atrasado”.

5 – Crie aproximação com seu público. Seja verdadeiro.

Boechat se sentia em casa como âncora da Rádio Band News. “Eu vou usar o rádio para ser o que eu sou. Não vou construir um personagem. Se tiver vontade de falar eu falo (…) É como eu me sentisse ali dentro da mesma forma que me sinto em casa, batendo papo com amigo(…)”

6 – Serviço em Rádio é “coisa de ontem”.

Hoje em dia com a informação na palma da mão, é possível saber, por exemplo, sobre trânsito e tempo, usando aplicativos. Para Boechat, essas informações ajudam, porém, o rádio tem que ser mais que isso: “O Rádio tem que conversar com as pessoas, contar histórias, se colocar junto às pessoas, no seu dia-a-dia, tocar o coração das pessoas”.

7 – “O Rádio é a mídia que melhor está enfrentando o advento da internet”.

Depois que a tv chegou, o rádio teve um progressivo declínio e agora que está se reinventando e crescendo novamente, Ricardo vê essa mídia como “um dos milagres compatível com todos os outros milagres da comunicação”. Ele permite uma liberdade de uso, pois você põe o fone de ouvido e fica com as mãos livres para trabalhar, para conversar, para admirar uma paisagem, para fazer o que quiser enquanto escuta os conteúdos.

8 – Valorize sua equipe.

Todas as pessoas que trabalharam com Ricardo Boechat lembram das vezes que levaram “puxões de orelha”, seja para melhorar aquela frase, deixar mais clara uma nota, ou ir mais a fundo na notícia. Foi um professor e segundo pai para muitos colegas de profissão. Quando achava o resultado bom, não poupava elogios. Gostava de desenhar nas pautas e deixava frases nas mesas dos colegas. Era rígido e amigão.

Foto de capa: Rádio Band News FM

Obrigada Boechat, por esse legado que você deixou para a comunicação brasileira. Sentiremos tua falta!